‘Propina em Bíblia’: ouça os áudios em que prefeitos denunciam pastor lobista do MEC

Prefeitos que tentaram ter acesso a recursos do Ministério da Educação (MEC) para a construção de escolas relataram ao GLOBO que o pastor Arilton Moura, apontado como lobista na pasta, teria pedido propina para ajudá-los a destravar a verba do órgão. Um deles contou que a vantagem indevida foi solicitada tanto em dinheiro como por meio de compra de Bíblias. Procurado, Moura não retornou os contatos.

Os relatos foram feitos pelos prefeitos Kelton Pinheiro, de Bonfinópolis (GO), e José Manoel de Souza, de Boa Esperança do Sul (SP).

Kelton Pinheiro

Kelton Pinheiro, de Bonfinópolis (GO), conta que Arilton Moura teria pedido R$ 15 mil e a compra de bíblias para ajudar ‘na construção da igreja’

Kelton Pinheiro, de Bonfinópolis (GO), conta que Arilton Moura teria pedido R$ 15 mil e a compra de bíblias para ajudar ‘na construção da igreja’

José Manoel de Souza

José Manoel de Souza, de Boa Esperança do Sul, conta sobre abordagem de Arilton Moura durante encontro com prefeitos

José Manoel de Souza, de Boa Esperança do Sul, conta sobre abordagem de Arilton Moura durante encontro com prefeitos

Os pedidos, segundos os prefeitos, variaram de R$ 15 mil a R$ 40 mil, além da compra de bíblias, de acordo com os depoimentos dessas duas testemunhas ouvidas pela reportagem.

Arilton Moura é assessor de Assuntos Políticos da Convenção Nacional de Igrejas e Ministros das Assembleias de Deus no Brasil. A organização é presidida pelo também pastor Gilmar Silva dos Santos, que tinha acesso ao Palácio do Planalto e se reuniu quatro vezes com o presidente Jair Bolsonaro, conforme revelou O GLOBO.

Prefeito de Bonfinópolis (GO), Kelton Pinheiro conta que se reuniu no MEC, em Brasília, com Ribeiro e outros 15 gestores municipais no dia 11 de março de 2021. O encontro consta da agenda oficial do governo. Na ocasião, o ministro fez um discurso contra a corrupção e, segundo Pinheiro, deixou o local na companhia dos pastores Arilton Moura e de Gilmar Santos.

Em seguida, ainda de acordo com Kelton, os dois pastores voltaram e chamaram os prefeitos para um almoço. No restaurante, Arilton Moura sentou-se na mesa de Kelton Pinheiro e questionou se ele teria algum pedido de melhorias para a sua cidade. Ao ouvir que a cidade precisava de mais uma escola, segundo o prefeito, o pastor teria solicitado dinheiro para ajudá-lo na empreitada junto ao MEC.

— (Moura) Disse que eu teria que dar R$ 15 mil para ele naquele dia para ele poder fazer a indicação. (Ele disse) “Transfere para minha conta, é hoje (…) No Brasil as coisas funcionam assim” — relembra Kelton.

— Que eu desse uma oferta para a Igreja, comprasse as bíblias para ajudar na construção da Igreja (…) Seria uma venda casada. Eu teria que comprar essas bíblias, porque ele estava em campanha para arrecadar dinheiro para a construção da igreja.

O mesmo enredo é narrado pelo prefeito de Boa Esperança do Sul, São Paulo, José Manoel de Souza. Ele conta que participou de um encontro promovido pelo ministro da Educação com cerca de 30 gestores municipais no dia 13 de janeiro de 2021 — o compromisso consta da agenda oficial de Milton Ribeiro. Nessa reunião, Souza pretendia apresentar demandas de ampliação de uma escola em sua cidade e acabar com a terceirização de ônibus escolar.

Depois do evento com Ribeiro, ainda de acordo com Souza, os prefeitos ganharam uma senha e aguardavam numa sala do MEC para apresentar suas demandas a assessores da pasta. O administrador de Boa Esperança do Sul conta que, após protocolar seu pleito no ministério da Educação, ele e outros chefes de Executivos municipais foram para um restaurante na companhia do pastor Arilton Moura, ocasião em que teria ocorrido o pedido de propina, segundo o governante.

— Eu o abordei e perguntei: “Senhor Arilton, como serão as liberações? Vai ser para todos os municípios?” E ele falou: “Vamos ali fora…Eu vou ser bem sincero. Tem escolas profissionalizantes no seu município?” Eu disse que não, porque a cidade é pequena, e a gente precisa aumentar creches e ônibus escolar. E ele falou: “Se você quiser, eu passo um papel agora, ligo para uma pessoa e as escolas profissionalizantes vão chegar ao seu município, mas em contrapartida, você precisa depositar R$ 40 mil para ajudar a igreja. Uma mão lava a outra, né?” — relembra Souza, acrescentando: — Eu bati nas costas dele e falei: “Obrigado senhor Arilton, mas para mim não serve”.

Fonte: O Globo

Foto: Luis Fortes/MEC

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.