Marlede pede, em discurso na Câmara, respeito e democracia por parte do secretário estadual de educação

A municipalização destas unidades escolares vai prejudicar muito os estudantes feirenses”, disse Marlene Oliveira – Foto: ASCOM

Durante discurso na Câmara Municipal sobre a municipalização do Colégio Estadual Agostinho Fróes da Mota, na manhã desta terça (8), a professora e presidente da Delegacia Sindical Sertaneja – conhecida como APLB/Feira, Marlede Oliveira, pediu o apoio dos vereadores para que o secretário estadual da Educação, Jerônimo Rodrigues, haja com respeito e democracia com a população de Feira de Santana.   

Marlede pontuou também que outros colégios, além do Agostinho Froes da Mota, serão prejudicados com a municipalização, a exemplo da Escola Severino Soares, situada no bairro Gabriela. “Essa escola também é única da rede estadual situada no bairro, assim como a Edelvira de Oliveira, na Queimadinha. A municipalização destas unidades escolares vai prejudicar muito os estudantes feirenses”, disse.  

E salientou: “Vão desativar esta escola situada no bairro Gabriela, mas, conforme a funcionária do NTE (Núcleo Regional de Educação), os alunos podem se dirigir às unidades mais próximas, que são o Centro Integrado De Educação Assis Chateaubriand e o Colégio Estadual Carmen Andrade Lima. Mas essas escolas são distantes do bairro. E é dessa forma que tratam a educação”.  

Marlede lembrou, em seu discurso, que as escolas estaduais foram ativadas nesses bairros para facilitar a vida da população. “Os estudantes daqueles bairros do noturno, por exemplo, que passam o dia todo no trabalho, dispõem, até hoje, de escolas próximas às suas residências para acolhê-los. Porém, as aulas para o ensino médio, assim como o CPA (Comissão Permanente de Avaliação), que muitos estudantes fazem e que só tem hoje no Agostinho Froes da Mota, e o EJA (Educação de Jovens e Adultos) vão acabar”.   

Fonte: ASCOM/Feira

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *