Grindr, app de encontros mais popular na comunidade gay, vai estrear na Bolsa valendo US$ 2,1 bi

O Grindr, o aplicativo de namoro e encontros mais popular na comunidade LGBTQ+, concordou em abrir o capital por meio de uma fusão com a Tiga Acquisition, uma sociedade de propósito específico (SPAC na sigla em inglês), em acordo que avalia a empresa combinada em US$ 2,1 bilhões, incluindo dívidas.

A combinação de negócios fornecerá ao Grindr cerca de US$ 384 milhões, o que a empresa usará para pagar dívidas e fortalecer seu balanço patrimonial

O Grindr, com sede em West Hollywood, na Califórnia, foi abordado por meia dúzia de SPACs antes de entrar no acordo com a Tiga, disse o diretor financeiro Gary Hsueh em entrevista.

“Do nosso ponto de vista, estamos prontos para ser uma empresa pública”, disse ele. A rota por um SPAC em vez de uma oferta pública inicial tradicional “fazia mais sentido porque tinha certeza e isso é ainda mais importante hoje do que há um ano, quando o mercado era diferente”.

Nova reviravolta societária
A listagem é um grande passo à frente para a empresa de 13 anos, que teve vários proprietários ao longo dos anos. A chinesa Beijing Kunlun Tech vendeu a empresa para a San Vicente Acquisition Partners por US$ 600 milhões em 2020, depois que os reguladores dos EUA pediram uma alienação devido a preocupações com títulos nacionais.

Enquanto rivais como Tinder e Bumble, da Match Group, são amigáveis para LGBTQ+, o Grindr é o mais popular entre os membros da comunidade. O aplicativo tem cerca de 11 milhões de usuários ativos mensais, uma fração dos 100 milhões de usuários nos aplicativos da Match, como Tinder e Hinge.

A concorrente Bumble teve 40 milhões de usuários mensais no ano passado, de acordo com registros da empresa. Perto de 80% dos usuários do Grindr têm menos de 35 anos.

“O número de pessoas que se identificam como parte da comunidade queer aumentou drasticamente”, disse o CEO Jeff Bonforte, acrescentando que isso se deve em grande parte ao fato de as pessoas se sentirem mais seguras ao abraçar sua identidade.

700 mil usuários pagantes
No segundo semestre do ano, Bonforte planeja renunciar ao cargo de CEO, pois a empresa indicou um membro da comunidade LGBTQ+, que liderou uma empresa pública, para ocupar o cargo. O conselho será composto por uma maioria de membros LGBTQ+, disse um porta-voz.

O Grindr se recusou a divulgar publicamente o nome do candidato a CEO.

Como outros aplicativos de namoro, o Grindr oferece um serviço gratuito com atualizações disponíveis para compra. O aplicativo se diferencia de seus concorrentes, pois os usuários podem visualizar e enviar mensagens para os perfis de 100 pessoas mais próximas a eles sem precisar se corresponder primeiro. O Grindr tinha 723.000 usuários pagantes no final de dezembro passado.

A receita, excluindo certos itens, cresceu para US$ 147 milhões em 2021, segundo a empresa, um aumento de 30% em relação ao ano anterior, com lucro ajustado antes de juros, impostos, depreciação e amortização chegando a US$ 77 milhões, um aumento de 51%. Para este ano, o Grindr prevê um crescimento ajustado da receita de 35% a 40% em relação a 2021.

A maior parte da receita do Grindr é proveniente das assinaturas, enquanto uma parcela menor vem da receita de anúncios. A empresa enfrentou problemas com a privacidade depois que o Wall Street Journal informou que um anunciante digital vendeu dados de localização que poderiam comprometer a identidade dos usuários.

Fonte: O Globo

Foto: Leon Neal / Photographer: Leon Neal/Getty Im

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.