Governo Municipal investiu muito para o retorno às aulas presenciais

Investimentos na estrutura das escolas, com a reforma e ampliação em cerca de 50 unidades de ensino e os diversos serviços de manutenção em mais de 100 prédios escolares, convocação de professores e distribuição da merenda estão entre as medidas adotadas pela Secretaria Municipal de Educação (Seduc) de Feira de Santana para o ano letivo 2022.

Os estudantes também receberão kits de materiais didáticos, farda completa, mochila e ainda um kit com caneca, talher e squeeze.

Ar-condicionado, ventilador, armários, fogões, freezers, TVs, carteiras e diversos outros utensílios foram adquiridos para todas as escolas. Alguns itens já começaram a ser distribuídos e outros chegarão às unidades de ensino em breve. Além dos diversos materiais que são usados nas aulas para os professores.

De acordo com a secretária da pasta, Anaci Paim, o retorno às aulas totalmente presenciais, ocorrido na última segunda-feira (21) vem exigindo uma série de medidas mais complexas para atender a todas as escolas.

“Nossas escolas estão recebendo este ano um contingente maior de matrículas. São 4 mil novos alunos, o que representa um aumento de 8% em relação ao ano anterior”, destaca.

Ainda segundo a secretária, a manutenção da estrutura física nas unidades de ensino “é uma política contínua, de acordo com as demandas apresentadas. Neste serviço, são feitas as revisões elétrica e hidráulica, de telhado, pintura e afins, além da reavaliação do protocolo sanitário de prevenção à Covid-19”.

A Prefeitura já distribuiu merenda escolar para todas as escolas e continuará fazendo a entrega de novos itens nas próximas semanas, entre os quais, hortifrutis e proteína.

A Seduc também convocou e deu posse a 50 professores aprovados no último concurso, que já foram encaminhados às escolas, e está providenciando para os próximos dias o chamamento de um número mais expressivo de profissionais da Educação que foram selecionados pelo regime de contratação de REDA.

“Eles vão substituir professores efetivos que estão afastados provisoriamente. São as chamadas vagas não permanentes”, indica.

DIÁLOGO ABERTO

Nesta quinta-feira, 24, a titular da pasta recebeu uma comissão de dirigentes da Associação dos Professores Licenciados do Brasil – Secção da Bahia (APLB-BA), no Museu Parque do Saber, onde apresentou um balanço das medidas do Governo Municipal para dotar as escolas de todas as condições para o pleno funcionamento e ações em prol dos 54 mil estudantes matriculados na rede.

No quesito das reivindicações financeiras, a secretária explicou que um possível reajuste para os 2.200 professores municipais está atrelado ao estudo econômico do impacto que pode ser gerado nas finanças da gestão pública, envolvendo a Administração e também a Fazenda.

“É uma questão delicada, mas, no momento, não podemos apontar uma alternativa, uma vez que esta não depende exclusivamente da Educação. Neste momento, sabemos que o aumento do piso dos professores, anunciado pelo Governo Federal – de 33,23% – causaria um impacto sério na gestão dos milhares de municípios brasileiros”, aponta.

Junto à Confederação Nacional dos Municípios (CNM), o prefeito Colbert Filho está acompanhando o estudo da situação com outros gestores. A CNM já avaliou que o reajuste naquele índice poderia colocar municípios em uma “difícil situação fiscal”. O piso é definido pelo Governo Federal, mas os salários são pagos pelos prefeitos e governadores.

Fonte: Secom/Feira

Foto: Sara Silva

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.