Feira tem um abastecimento hídrico muito parecido com Maceió, Alagoas

Durante a sessão especial realizada, na manhã desta quinta (24), no plenário da Câmara Municipal, por iniciativa do vereador Jhonatas Monteiro (PSOL), um dos convidados, Luís Geovane Andrade Santana, representante da Federação Regional dos Urbanitários do Nordeste (FRUNE), relatou a atuação situação da região metropolitana de Maceió, Alagoas, para fazer um comparativo com Feira de Santana e a possível privatização da Embasa.

De acordo com ele, Maceió tem um abastecimento hídrico muito parecido com Feira de Santana. “Lá, a água foi entregue para administração da iniciativa privada por R$2 bilhões. Mas isso cobra de cada habitante R$4 por mês, incutido na conta, e essa cobrança ocorrerá durante 30 anos. Mas quem usufrui desse recurso é o atual governador, numa proposta clara de financiamento sem necessariamente passar pela aprovação do Poder Legislativo e sem que a população debata a privatização desse recurso”, disse.

Para ele, dizer que água não é mercadoria não é falácia. “Como seres humanos precisamos de água, comida e oxigênio para sobreviver. Água é bem essencial; é condição do ser humano ter água para viver. Vida não tem preço. O próximo passo, daqui a pouco, será transformar o oxigênio em mercadoria; vão mercantilizar o ar que nós respiramos”, pontuou.

Fonte: ASCOM/Feira

Foto: ASCOM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.