Dado valoriza vitória que colocou o Leão no G-4 e explica substituição de Jadson

O técnico Dado Cavalcanti admitiu que o Vitória não jogou bem no Lomantão, na tarde deste domingo (13). Porém, o comandante valorizou a vitória do Leão sobre o Vitória da Conquista por 1 a 0, pela quinta rodada do Campeonato Baiano. O resultado alçou o Rubro-Negro ao G-4 da tabela de classificação.

“O mais importante de hoje foi ter conquistado o resultado. Tínhamos feito um bom primeiro tempo, o segundo foi ruim, mas o importante é ter vencido aqui, somado os três pontos, voltamos a vencer, voltamos ao G-4 e é isso que a gente vai valorizar”, destacou na entrevista coletiva.

Para Dado, o resultado positivo traz tranquilidade ao Leão. O time baiano só volta a jogar no final deste mês de fevereiro, contra o Atlético de Alagoinhas, no Barradão, pela sexta rodada. A partida ainda não tem data definida, mas a Federação Bahiana de Futebol (FBF) reservou os dias 26 e 27 para a realização do duelo.

“O resultado traz tranquilidade. Por três oportunidades, voltamos para o vestiário pós-jogo com a sensação de termos feito bom jogo e não tivemos os três a nosso favor. Empatamos por duas vezes, perdemos o jogo para o Jacuipense mesmo jogando bem. Talvez hoje o sentimento seja um pouco diferente. Mas volto a falar, o importante foi ser competitivo e eficiente na bola que tivemos para resolver o jogo, fizemos o gol. Tivemos um pouco de dificuldade, mas a vitória hoje foi o mais importante para dar aquela respirada dentro do G-4 e pensar nos próximos jogos”, continuou.

Com 10 minutos do segundo tempo, Dado tirou o meia Jadson, que marcou o único gol da partida em cobrança de pênalti no final da etapa inicial. O comandante explicou a decisão de ter tirado o camisa 10 de campo.

“Não vi esse gesto de abrir braços. A troca aconteceu, talvez no pior momento nosso do jogo. Nós entramos no intervalo do segundo tempo e em 10 minutos não conseguimos enxergar a bola. O adversário fez uma pressão forte e a única alternativa que eu visualizava para dar um contragolpe nesse ímpeto do adversário era a mexida tática. Realmente Jadson não estava cansado, não pediu para sair, foi uma opção minha mesmo. Eu visualizava que o lado direito do adversário estava muito forte, então posicionei Luidy um pouco mais aberto daquele lado. Precisava de uma pressão um pouco mais forte à frente, por isso Roberto entrou para tentar fazer essa pressão. E Jeferson Renan fazendo a largura do outro lado direito. Acho que com essa troca, a gente conseguiu amenizar o ímpeto do adversário naquele momento, quebramos o ritmo. Embora eu entenda que o segundo tempo foi bem abaixo do que estamos acostumados a fazer. O primeiro tempo foi muito bom, o segundo tempo foi ruim, o adversário cresceu. Mas repito, a troca aconteceu no momento crucial do jogos, nos 10 minutos iniciais. Nós não víamos a cor da bola e foi necessário um ajuste de meio para a gente ter um pouco mais de competitividade e combate, já que todas as bolas e segundas bolas eram praticamente do adversário”, justificou.

Com o resultado, o Vitória chegou aos oito pontos e assumiu a quarta posição na tabela de classificação.

Fonte: Bahia Notícias

Foto: Enaldo Pinto / Ag. Haack / Bahia Notícias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.