Assembleia Geral da ONU adota resolução de ajuda à Ucrânia e critica Rússia; Brasil votou a favor

A Assembleia Geral da ONU voltou a pedir, nesta quinta-feira (24), o “fim imediato” das hostilidades da Rússia na Ucrânia, assim como “qualquer ataque contra civis e alvos civis”, na segunda resolução em menos de um mês sobre o tema, que não é vinculante, ou seja, não é de cumprimento obrigatório.

A resolução, elaborada por Ucrânia e aliados, recebeu 140 votos a favor (inclusive do Brasil) e 5 votos contra –Rússia, Síria, Coreia do Norte, Eritreia e Belarus– enquanto 38 países se abstiveram.

Promovida por México e França, a resolução intitulada “consequências humanitárias da agressão”, pede “o cessar imediato das hostilidades” geradas pela invasão russa e a “retirada imediata, completa e incondicional” das forças armadas russa de território ucraniano.

Pede, ainda, o cessar da violência contra civis e alvos civis e insiste em que cessem os “cercos” em cidades como Mariupol que “não fazem mais do que agravar a situação humanitária da população e obstaculizar os esforços de evacuação”.

O texto tinha a oposição da Rússia e de seus aliados, que não queriam que o nome do país apareça no texto, alegando que isso o “politiza”.

A África do Sul apresentou outro projeto paralelo no qual a Rússia não era mencionada.

“A assistência humanitária não pode ser refém de considerações políticas”, disse o embaixador do México, Juan Ramón de la Fuente, que sustentou que esta iniciativa da comunidade internacional “é o mínimo que merece o povo ucraniano”. “A resposta deve estar à altura das necessidades”, afirmou.

Em 2 de março passado, em uma decisão histórica, 141 países votaram a favor de outra resolução de condenação à invasão russa contra 35 abstenções (entre elas China, Cuba, Nicarágua, El Salvador, Bolívia, Índia, Irã, Iraque, Cazaquistão ou Paquistão) e cinco votos contra (Coreia do Norte, Síria, Belarus, Eritreia e a própria Rússia).

Fonte: G1

Foto: Reprodução

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.